sábado, 27 de junho de 2009




Falava apressado.
A língua descansava entre os dentes,
Como o som saía
Assim escrevia.
ERRADO!
Nas séries pra frente
Ainda primário
Afastada eu era.
ISOLADA!
Até aprender
E certo escrever
Ali todo dia eu ficava.
PAUSA
Ainda eu erro
Não só na escrita,
Jesus pra sempre me abraça.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

POLVO


Nas sombras se esconde
Nas profundezas dos mares
Se pinta com tinta
O mal já foi causado
Quando um tentáculo é descoberto
Logo é descartado
E outro lhe é colocado
PAUSA
Um dia Jesus me disse
Que as trevas para Ele é luz
E a morte já foi vencida na Cruz
Que hoje ainda é dia de perdão
Em/com Jesus está a Salvação

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Edifício

Na pergunta pausada e lenta
Já com descrédito no conseguir
Um edifício com base na areia
Se eu era capaz de construir

Não sai da minha cabeça -
Na pergunta - o seu olhar
A minha mente recicla
Aquela palavra sem cessar

Um edifício nascido da Rocha
E sobre Ela firmado estará
Pois a areia do deserto
Naquele lugar se petrificará

domingo, 7 de junho de 2009


no madeiro da varanda
uma cruz ali formou
os meus olhos o perceberam
meu coração se contristou
levanto hoje a Deus louvores
pois em Jesus minha salvação
seja a Glória dEle em mim
(eu) em eterna gratidão

quarta-feira, 3 de junho de 2009

O olhar!

Olhos miúdos, grandes, espantados,
Olhos que dizem de si e sua vontade,
Olhos que pedem e dão um mundo encantado.
Olhos que se desnudam e se mostram sem máscaras.